A Polícia Federal apreendeu uma máquina de perfuração de granito avaliada em 100 mil dólares, no galpão que era utilizado por quatro traficantes mexicanos, na Serra, para armazenar drogas dentro de blocos da rocha.

Bloco de granito foi usado pelo traficante para transportar 123 kg de cocaína
Bloco de granito foi usado pelo traficante para transportar 123 kg de cocaína
Foto: Divulgação/PF

Um dos criminosos foi preso e 123 quilos de cocaína apreendidos, durante a Operação “Blockbuster”, realizada na última terça-feira. Segundo o delegado Ramon Almeida, chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes, a máquina ainda não havia sido usada. “Fizemos a busca no galpão e encontramos uma máquina industrial para perfuração de granito, de grande porte. Ainda não havia sido usada e foi comprada por eles”, afirmou.

Ainda segundo o delegado, os trabalhos para identificação e localização do restante da quadrilha ainda estão em andamento.

A investigação acerca do tráfico de cocaína proveniente da Grande Vitória, começou há cerca de 40 dias. A desconfiança veio com a movimentação de pedras de granito, que era realizada por um grupo de quatro mexicanos.

“Eles chegavam com visto de turismo no Estado, exerciam essa atividade de compra de pedras, com valor acima do comum, e permaneciam um grande período na Grande Vitória”, revelou o delegado.

Como a atividade seria inviável financeiramente, houve a desconfiança de uma atividade ilícita. Durante as investigações foi descoberta a verdadeira intenção dos mexicanos.

“Eles foram monitorados 24 horas por dia, desde que os blocos começaram a ser movimentados. Conseguimos descobrir que eles estavam escondendo a cocaína dentro da pedra e exportando para a Europa”, contou.

Exportação

A droga veio da Colômbia para o Brasil e seria exportada de navio, através do Porto de Capuaba, em Vila Velha. Os mexicanos chegaram a comprar outras cinco pedras para disfarçar o objetivo real da vinda ao Estado. “Tivemos que olhar pedra por pedra. Na última, conseguimos encontrar a droga”, explicou Almeida.

Três dos quatro traficantes conseguiram voltar ao México antes da polícia encontrar a cocaína. Porém, um deles foi preso no Aeroporto de Vitória, 20 minutos antes do embarque, e autuado por associação e tráfico internacional de drogas.